10 espécies de pássaros bizarros

Segundo a pesquisa liderada pelo Museu Americano de História Natural em 2017, existem aproximadamente 18.000 espécies de aves na Terra, quase o dobro do que se pensava anteriormente. Um dos autores do estudo disse que esse número tem implicações relativas às práticas de conservação.

Muitas espécies de aves já foram extintas devido à predação ou atividade humana. Apesar dos significativos esforços de conservação durante os últimos anos, muitas espécies estão à beira da extinção hoje, incluindo algumas das aves nesta lista. Então, vamos apreciar essas aves bizarras enquanto ainda podemos.

10º Andorinha-do-inca

Andorinha-do-inca

Com o nome do seu habitat, que costumava ser governado pelo antigo Império Inca, esta ave só pode ser encontrada perto da Corrente de Humboldt. As Andorinha-do-inca se adaptaram à caça de anchovas e outros pequenos peixes mergulhando nas águas frias e correntes. Elas às vezes também buscam restos deixados por golfinhos e leões marinhos.

De longe, esta ave pode parecer com qualquer outra espécie de ave comum. Mas de perto, é impossível perder a característica mais incomum da Andorinha-do-inca, um bigode branco vistoso. Ambos os machos e fêmeas crescem os bigodes. Esta espécie altamente social nidifica em colônias de vários milhares de pássaros, tipicamente colocando ovos em cavidades ou fissuras.

Embora a Andorinha-do-inca não seja considerado ameaçado de extinção, a redução na quantidade de anchova devido à sobrepesca pode ter um impacto sério no tamanho da população. Gatos e ratos em algumas das ilhas também podem impedir o assentamento. Em 2009, o governo peruano criou as Ilhas Guano e a Reserva Nacional de Capes, que protege as colônias de Andorinha-do-inca e Leão-marinho em 28 ilhas e falésias. 

Papa-moscas real da Amazônia 

Papa-moscas real da Amazônia
Imagem: National Geographic

Embora todos os Papa-moscas reais sejam bastante semelhantes, alguns especialistas os dividem em quatro subespécies com base na localização geográfica. O Papa-moscas real da Amazônia é difundido no norte e centro da América do Sul a leste dos Andes. Eles habitam principalmente florestas húmidas e decíduas de terras baixas.

 Os Papa-moscas reais podem ser reconhecidos por uma crista ornamentada original que varie entre várias máscaras do vermelho e do laranja. A crista é geralmente reclinada, dando ao Papa-moscas uma aparência de cabeça de martelo. Quando levantada, a crista tem uma forma de leque distinta.

Além da localização, os Papa-moscas reais da Amazônia se distinguem por seu traseiro e cauda cor de canela. Estas aves também são menores e mais escuras do que outros Papa-moscas. Os machos têm cristas exclusivamente vermelhas e as fêmeas têm cor de laranja. Como o nome sugere, os papa-moscas reais se alimentam principalmente de insetos. 

Embora esta espécie seja descrita como incomum, os Papa-moscas reais da Amazônia não estão sob nenhuma ameaça significativa. Isso pode ser parcialmente atribuído ao seu hábito de se aninhar em galhos acima da água, o que ajuda na segurança de aves jovens.

8º Petrel Gigante do Sul 

Petrel Gigante do Sul

O Petrel gigante do sul é um pássaro grande com asas pontiagudas.Tem duas formas de cores distintas, branco e escuro. Apenas cerca de 5% dos petréis gigantes do sul têm a variação da cor branca, mas as cores das aves escuras tendem a embranquecer com a idade.

Um encurvado durante o vôo é outra característica comum. Esta espécie circumpolar é distribuída das ilhas subantárticas ao sul do continente antártico.

Devido à sua dieta contendo muitas carcaças de elefantes marinhos e leões-marinhos, o petrel-gigante-do-sul é conhecido como o abutre do mar. Outras iguarias incluem peixes, lulas, pinguins e albatrozes.

Estas aves selvagens são freqüentemente vistas com cabeças cobertas de sangue, enquanto se alimentam de restos de animais. Há também alguns relatos de petréis gigantes do sul atacando outras aves marinhas contra as ondas ou segurando-as debaixo d'água para afogá-las.

Além disso, sabe-se que os petréis-gigantes do sul vomitam seus óleos estéreis quando são ameaçados ou incomodados, como caso dos barcos de pesca. Marinheiros irritados, que às vezes roubam seus peixes, apelidaram os pássaros de “fedorentos”.

Pesquisadores da Universidade de Barcelona descobriram que algumas espécies de aves da Antártida podem ser ameaçadas por doenças humanas. Aves, incluindo gaivotas de algas, pinguins e petréis gigantes do sul podem pegar bactérias como Salmonella e Campylobacter. Depois de testar amostras fecais de mais de 600 aves marinhas de vários locais diferentes, três achados sugestivos de zoonoses reversas foram encontrados.

7º Kakapo

Kakapo
Imagem: Arkive

A Nova Zelândia era o lugar perfeito para espécies animais isoladas evoluírem separadas do resto do mundo. Como resultado, o país agora é conhecido por muitos animais únicos. E o kakapo é uma das espécies mais bizarras entre eles. É o papagaio mais pesado do mundo, o único papagaio que não voa, e um dos pássaros mais longevos da Terra.

Os kakapos não atingem a maturidade sexual até os 9–10 anos e acredita-se que eles tenham mais de 90 anos de idade. No entanto, o espécime mais antigo morreu por volta dos 80 anos. Apesar de sua longevidade, a população de Kakapo tem sido criticamente ameaçados há mais de um século, porque eles só se reproduzem a cada 2 a 5 anos, vivem no solo e ficam parado quando estão em perigo.

O papagaio costumava ser abundante até os primeiros colonos humanos chegarem e caçá-los por penas e carne. A limpeza de terras e outros predadores como gatos domésticos, cachorros e arminhos quase levaram os kakapos à extinção. Os primeiros esforços de conservação começaram em 1894, mas não tiveram êxito até que o programa de criação de kakapo foi estabelecido em 1995.

Havia apenas 51 kakapos quando o programa começou, mas sua população aumentou significativamente desde então. De acordo com o Departamento de Conservação da Nova Zelândia, existem 148 kakapos vivos no momento.

6º Galo-da-serra

Galo-da-serra
Imagem: Neotropical Birds

O galo-da-serra guianense é nativo da Colômbia, Venezuela, sul da Guiana e norte do Brasil. Tanto os machos como as fêmeas podem ser instantaneamente reconhecidos pela sua crista constantemente ereta, que cobre amplamente sua cabeça. Aves machos têm uma cor laranja incrivelmente brilhante. Enquanto isso, as fêmeas são marrons, ostentam cristas menores e têm um bico preto com ponta amarela.

Com sua dependência de enormes rochas e cavernas rochosas para reprodução, os Galos-da-serra da Guiana passam muito tempo no namoro. Até 50 machos participam de leques comunais, que consistem em exibições de combate e dança. As fêmeas preferem machos que exibam dominância controlando o centro do lek.

As comunicações entre os Galos-da-serra da Guiana contêm uma grande variedade de sons. Eles podem encaixar seus bicos para criar um som de estalo. Em leks, os machos emitem barulhos altos, cantando e parecidos com galinhas. Enquanto forrageando, o Galo-da-serra guianense é conhecido por emitir sons altos.

Suas refeições favoritas são frutas e bagas. Mas se nenhum estiver disponível, os pássaros se contentarão com insetos, pequenos répteis ou rãs. 

5° Boca de sapo do Sri Lanka 

Boca de sapo do Sri Lanka

Boca de sapo do Sri Lanka só pode ser encontrado nas densas florestas tropicais da Índia e do Sri Lanka. Não é segredo do porque do nome Boca de sapo, sendo ele com a cabeça tão larga quanto o corpo e uma boca grande e aberta. Os machos são cinzentos e fortemente manchados de branco, enquanto as fêmeas ostentam uma cor vermelha enferrujada e sardas brancas esparsas. Eles também possuem um bico largo, enganchado e achatado.

Essas aves noturnas passam a maior parte do dia descansando em galhos e atacam insetos à noite. O Boca de sapo do Sri Lanka não é considerado uma espécie ameaçada, mas a tendência recente de substituir as plantações de café cultivadas com sombra por plantações de chá mais lucrativas derrubou algumas das florestas nativas das aves. Outras ameaças ao seu habitat são causadas por cultivo, operações florestais, incêndios e pastoreio.

No século 19, o Boca de sapo do Sri Lanka foi encontrado apenas no Sri Lanka. A ave foi avistada mais e mais ao norte nos últimos anos, o que tem sido atribuído à mudança climática. Outra espécie animal, o Civeta marrom, foi observada movendo-se mais ao norte também. Os cientistas estão preocupados que essas mudanças de habitat possam ser indicadores de crescimento do aquecimento global.

4º Fragata comum

Fragata comum
Imagem: Wikimedia Commons

Fragata-comum usa sua cauda profundamente bifurcada para navegar sem esforço através da brisa tropical. Prefere voar ao longo da costa do sul dos EUA, do México e do Caribe, quando os ventos são mais fortes, mantendo os pássaros no ar. Isso permite que eles permaneçam no ar por até dois meses sem um único pouso.

Como as fragatas-comuns não têm penas à prova d'água, evitam pousar na água. fragatas-comuns molhadas são incapazes de voar. Em vez disso, elas se alimentam assediando outros pássaros em busca de comida e pegando-os no ar. É preciso muita prática para se tornar um pirata do céu, os jovens fragatas-comuns perseguem-se uns aos outros com um bastão. Quando um pássaro deixa cair o bastão, outro o pega.

A característica mais extraordinária do fragata é uma grande bolsa vermelha brilhante que os machos inflam para atrair as fêmeas. É também a única ave marinha com uma diferença significativa na aparência entre os sexos. As fêmeas geralmente são maiores que os machos e têm uma garganta branca em vez da bolsa vermelha. 

3º Anambé-papudo 

Anambé-papudo
Imagem: Wikimedia Commons

 Elvis Presley ficaria com ciúmes da crista de penas sobre a cabeça parecendo um guarda-chuva. Estas aves também possuem uma longa e inflável haste que oscila no meio do peito. A haste é coberta de penas curtas e escamosas e pode parecer uma pinha quando inflada.

Os machos usam esses ornamentos para atrair as fêmeas durante a época de acasalamento. Os Anambés-papudos masculino são também duas vezes o tamanho das fêmeas, que têm hastes muito menores ou ausentes. Em comparação com a maioria das aves, elas são desajeitadas e preferem pular de galho em galho nas árvores.

O Anambé-papudo é endêmico do oeste da Colômbia e do Equador. Como a ave passa a maior parte do tempo em florestas úmidas, a perda de habitat causada pela extração de madeira, construção de estradas e mineração de ouro afetou significativamente o tamanho da população. Alguns locais também capturam-se esses animais e os vendem, os mantêm como animais de estimação ou os comem.

O Anambé-papudo e de perplexidade e desempenham um papel crucial em comer os frutos das árvores da floresta tropical e dispersar suas sementes. Uma pesquisa mostrou sobrevivência simbiótica entre aves raras e florestas tropicais. Matar ou retirar da floresta os pássaros prejudica a floresta e vice-versa. Infelizmente, tanto o Anambé-papudo e as florestas em que vivem estão desaparecendo lentamente.

2º Calau de capacete 


Os Calaus de capacete são aves grandes e barulhentas confinadas aos habitats da floresta intocada de Brunei, Malásia, Tailândia, Indonésia e Myanmar. A estrutura no bico de um Calau é chamada de casque, que é francês para "capacete". Ao contrário de outras espécies de Calau, o casque do Calau de capacete é sólido e pesado, representando mais de 10% do peso do animal.
 
O Calau de capacete pode ser reconhecido por suas características faciais bizarras e longas penas da cauda central. A pele enrugada em sua garganta, conhecida como bolsa gular, é usada para transportar itens de comida de volta ao ninho. A bolsa é vermelha para os machos e turquesa para as fêmeas. Apenas as melhores florestas tropicais de várzea com muitas árvores frutíferas fornecem um habitat adequado. Durante a incubação, a fêmea  fica confinada  em seu ninho.
 
Devido à alta demanda da China por esculturas feitas a partir do casco da ave, o Calau de capacete se tornou criticamente ameaçado. A espécie tem uma taxa reprodutiva muito lenta, e a caça furtiva podem reduzir desproporcionalmente seus números. Mais de 30 organizações de conservação da vida selvagem estão fazendo tudo ao seu alcance para manter essa espécie viva.
 
1º Jacu-cigano 

Jacu-cigano

Os Jacus-cigano são comuns em toda a América do Sul central. Muitas vezes sentam-se ao ar livre, mas recuam para uma cobertura mais densa, se ameaçados. A ave normalmente pode ser encontrada em árvores e arbustos ao longo de rios e lagos. Embora o Jacu-cigano possa parecer temível, ele não tem habilidade para voar e seus movimentos podem ser descritos como incômodos.

Visualmente, a ave se distingue por uma crista solta, pele facial azul brilhante e olhos vermelhos. No entanto, a característica mais incomum da ave é seu estômago multicâmara. Os Jacus-cigano são por vezes referidos como vacas voadores porque se alimentam de folhas e botões jovens, que são digeridos com a ajuda de bactérias e micróbios. É a única ave do mundo que pode sobreviver comendo nada além de folhas.

Como se não bastasse ter um sistema digestivo bovino, os Jacus-cigano também nascem com garras nas asas. Os jovens Jacus-cigano podem nadar e muitas vezes pular na água quando enfrentam o perigo. Então eles usam as garras para subir de volta às árvores. Garras na asa costumavam ser uma característica comum em aves antigas, mas esta espécie conseguiu mantê-las ao longo de gerações. As garras desaparece quando o Jacu-cigano amadurece.

Fonte: Listverse

Veja também:

Nenhum comentário